Contexto: No último dia 17, foi lançado, em uma grande operação mundial de marketing e de mídia, o EAT-Lancet. EAT é uma organização não governamental criada por Gunhild Stordalen, uma bilionária sueca, vegana, com uma clara agenda de demonização do consumo de carne. A EAT congregou 37 cientistas, de vários países, todos com um forte viés vegetariano, reuniu fundos oriundos de gigantes tais como Cargill, Nestlé, Pepsico, Kellogs, etc, agregou o apoio político e financeiro de gigantes do vale do silício (tais como Google e a Bill Gates Foundation)  e produziu um artigo que foi publicado na prestigiosa revista científica The Lancet - tendo ficado conhecido desde então como o relatório EAT-Lancet. A Dra Georgia Ede produziu um excelente texto sobre o assunto, cuja tradução segue abaixo:

Georgia Ede MD
O Planeta Baseado em Plantas da EAT-Lancet : 10 Coisas Que Você Precisa Saber

 

Todo dia deve ser uma segunda-feira sem carne?

Um novo estudo importante sobre nutrição global foi publicado nesta semana e merece toda a atenção de todos: "Alimentos no Antropoceno: a Comissão EAT-Lancet sobre dietas saudáveis ??a partir de sistemas alimentares sustentáveis". [Não deixe o título pretensioso intimidá-lo: você precisa saber o que há dentro dele.] Este artigo foi encomendado e publicado pela The Lancet - um dos mais antigos e respeitados periódicos médicos do mundo - e escrito por um grupo internacional de 37 cientistas liderados pelo Dr. Walter Willett, da Universidade de Harvard.
O produto de três anos de deliberação, este documento de 47 páginas prevê uma “Grande Transformação de Alimentos” que visa alcançar uma dieta ambientalmente sustentável e idealmente saudável para as pessoas do mundo até 2050. Sua principal recomendação é minimizar o consumo de alimentos de origem animal tanto quanto possível, e substituí-los por grãos integrais, legumes e nozes:

 

Figura1

 

Todos nós queremos ser saudáveis ??e precisamos de uma maneira sustentável de nos alimentar sem destruir nosso meio ambiente. O bem-estar de nosso planeta e de seu povo está claramente em risco, portanto, uma orientação clara e baseada na ciência sobre como devemos avançar juntos é muito bem-vinda.
 

Infelizmente, teremos que buscar soluções em outros lugares, porque o relatório não nos fornece a clareza, transparência e representação responsável dos fatos de que precisamos para depositar nossa confiança em seus autores. Em vez disso, os argumentos da Comissão são vagos, inconsistentes, não científicos e minimizam os sérios riscos à vida e à saúde impostos pelas dietas veganas.

 

1. Epidemiologia Nutricional = Mitologia
A grande maioria das pesquisas sobre nutrição humana - incluindo a parte do leão das pesquisas citadas no relatório EAT-Lancet - é conduzida usando a metodologia tragicamente falha da epidemiologia nutricional. Estudos de epidemiologia nutricional não são experimentos científicos; eles são imprecisos, suposições baseadas em questionários (hipóteses) sobre as possíveis conexões entre alimentos e doenças. Essa abordagem tem sido amplamente criticada como cientificamente inválida [ver aqui e aqui], mas continua a ser usada por pesquisadores influentes de instituições de prestígio, mais notavelmente o Dr. Walter Willett. Willett, ele mesmo um epidemiologista, ele escreveu um importtante livro-texto de sobre o assunto e conduziu inúmeros estudos, incluindo um recente artigo amplamente divulgado que associa dietas pobres em carboidratos a mortes prematuras. Em minha reação a esse estudo, explico em inglês claro por que as técnicas epidemiológicas são tão indignas de confiança e incluo uma amostra de um questionário de frequência alimentar real para sua diversão.

 

Mesmo se você acha que os métodos epidemiológicos são sólidos, na melhor das hipóteses eles só podem gerar hipóteses que precisam ser testadas em ensaios clínicos. Em vez disso, essas hipóteses são muitas vezes alardeadas prematuramente ao público, como se fossem um fato, na forma de manchetes de mídia, diretrizes dietéticas e relatórios de comissões bem colocados como este. Tragicamente, mais de 80% desses palpites se mostraram errados em ensaios clínicos. Com uma taxa de falha tão alta, seria melhor para os epidemiologistas nutricionais lançarem uma moeda para decidir quais alimentos causariam doenças humanas. A Comissão baseia-se fortemente nesta metodologia, o que ajuda a explicar por que razão as suas recomendações muitas vezes fogem à realidade biológica.

 

2. A carne vermelha causa doenças cardíacas, diabetes, câncer ... e combustão espontânea
A seção do relatório dedicada às proteínas culpa carne vermelha por doenças cardíacas, derrame, diabetes tipo 2, obesidade, câncer e morte precoce. Contém 16 referências, e cada uma delas é um estudo epidemiológico. O relatório da Organização Mundial da Saúde que relaciona a carne vermelha ao câncer de cólon também foi mencionado, e esse relatório é quase inteiramente baseado na epidemiologia também. [Leia minha análise completa do relatório da OMS aqui]. A verdade é que não há evidências de ensaios clínicos em humanos ligando carne vermelha a qualquer problema de saúde. Eu certamente não encontrei nenhum - e se houvesse, acho que esta Comissão certamente os teria mencionado.

No entanto, mesmo nessa seção de “carne vermelha é um apocalipse em um prato”, as virtudes da carne passam por:

 

[Na África Subsaariana] “... crianças em crescimento muitas vezes não obtêm quantidades adequadas de nutrientes apenas de alimentos de fontes vegetais… a promoção de alimentos de origem animal para crianças, incluindo produtos de origem animal, pode melhorar a qualidade da dieta, ingestão de micronutrientes, e saúde geral. ”[página 10]

 

3. A proteína é essencial ... mas cancerígena
Os autores escrevem:

 

“A qualidade da proteína (definida pelo efeito na taxa de crescimento) reflete a composição de aminoácidos da fonte de alimento e as fontes animais de proteína são de qualidade superior à maioria das fontes vegetais. A proteína de alta qualidade é particularmente importante para o crescimento de lactentes e crianças pequenas e, possivelmente, em pessoas idosas que perdem massa muscular mais tarde na vida. ”[Página 8]

 

Traduzindo: As proteínas completas são boas porque contêm todos os aminoácidos essenciais. Todas as proteínas animais são naturalmente completas, enquanto a maioria das proteínas vegetais é incompleta. Veja como os autores se esquivam dessa verdade inconveniente na próxima frase:

 

“No entanto, uma mistura de aminoácidos que estimula ao máximo a replicação e o crescimento celular pode não ser ideal durante a maior parte da vida adulta, porque a replicação celular rápida pode aumentar o risco de câncer.” [Página 8]

 

Traduzindo: Proteínas completas são ruins porque causam câncer.

A única referência para essa sugestão absurda de que proteínas completas causam câncer é um artigo sobre mutações que causam câncer em que os termos “proteína”, “aminoácido” e “carne” ocorrem em um total de zero vezes, sugerindo que a sugestão da Comissão é pura ... sugestão. Além disso, se a obtenção de todos os aminoácidos essenciais que precisamos causar câncer, não deveríamos também nos preocupar com proteínas completas de fontes vegetais como tofu ou feijão com arroz?

4. Ômega-3 é essencial ... boa sorte com isso

"O peixe tem um alto conteúdo de ácidos graxos ômega-3, que têm muitos papéis essenciais ... As fontes vegetais de ácido alfa-linolênico [ALA] podem fornecer uma alternativa aos ácidos graxos ômega-3, mas a quantidade necessária não é clara." [ página 11]

 

Se a Comissão não sabe quanto ALA vegetal uma pessoa precisa consumir para atender aos requisitos, então como ela sabe que as plantas fornecem uma alternativa viável para o ômega-3 de origem animal?

O elefante na sala aqui é que todos os ômega-3 não são criados iguais. Apenas alimentos de origem animal (e algas, que não são nem plantas, nem animais) contêm as formas de ômega-3 que nossos corpos usam: EPA e DHA. As plantas contêm apenas ALA, que é extremamente difícil para as nossas células converterem em EPA e DHA. De acordo com essa revisão de 2018, nós transformamos algo entre 0% e 9% do ALA que consumimos no DHA que nossas células exigem.
Em vez de ser vago, por que não avisar com responsabilidade que as pessoas que tentam obter ácidos graxos ômega-3 apenas de plantas podem colocar sua saúde em risco?

 

“Cerca de 28 g / dia de peixe pode fornecer ácidos graxos ômega-3 essenciais… portanto, usamos essa ingestão para a dieta de referência. Também sugerimos uma faixa de 0 a 100 g / dia, pois a alta ingestão está associada à excelente saúde ”. [Página 11]

Espere ... se forem necessários 28 gramas para atender às suas necessidades diárias de ômega-3, e as altas ingestões estiverem associadas à excelente saúde, por que permitir que o intervalo comece com ZERO gramas por dia? Se a Comissão não se sentir à vontade para recomendar peixe, deve pelo menos recomendar suplementos de ômega-3 à base de algas.

 

5. Vitaminas e minerais são essenciais ... então tome suplementos
O alvoroço ouvido ao longo do relatório é que os alimentos de origem animal são perigosos e que a dieta vegana é o santo graal da saúde, mas os comissários da EAT-Lancet se encontram repetidamente na obrigação de reconhecer a superioridade nutricional dos mesmos alimentos que recomendam evitar:

"Embora a inclusão de alguns alimentos de origem animal em dietas maternas seja amplamente considerada importante para o crescimento fetal ideal e aumento da necessidade de ferro, especialmente durante o terceiro trimestre de gravidez, evidências sugerem que dietas vegetarianas equilibradas podem apoiar o desenvolvimento fetal saudável, com a ressalva dietas requerem suplementos de vitamina B12 ". [página 13]

“As adolescentes estão em risco de deficiência de ferro devido ao rápido crescimento combinado com as perdas menstruais. Perdas menstruais às vezes têm sido uma razão para o aumento do consumo de carne vermelha, mas a preparação multivitamínica ou multimineral fornece uma alternativa que é menos dispendiosa e sem as conseqüências adversas da alta ingestão de carne vermelha. ”[Página 13]

 

Se os autores estão preocupados que a carne vermelha é perigosa (o que só é verdade no Planeta Epidemiologia), por que não recomendar outros alimentos animais naturalmente ricos em ferro como pato, ostras ou fígado de galinha para essas jovens em crescimento, pois esses alimentos também fornecem as proteínas completas necessárias para o crescimento? E quanto aos 10-22% das mulheres não-adolescentes em idade reprodutiva nos EUA que sofrem de deficiência de ferro? E por que uma “preparação multimineral” em vez de um simples suplemento de ferro? Eles estão sugerindo que outros minerais podem estar faltando em sua dieta baseada em vegetais?
Ao mudar para a dieta EAT-Lancet, a Comissão afirma:

 

“A adequação da maioria dos micronutrientes aumenta, incluindo vários essenciais, como ferro, zinco, folato e vitamina A, bem como a ingestão de cálcio em países de baixa renda. A única exceção é a vitamina B12, que é baixa em dietas baseadas em animais [acredito que isso foi um erro da parte deles, já que B12 é encontrada apenas em alimentos de origem animal.] Suplementação ou fortificação com vitamina B12 (e possivelmente com riboflavina [vitamina B2]) pode ser necessário em algumas circunstâncias. ”[página 14]

Infelizmente, a inadequação nutricional das dietas baseadas em vegetais vai além das vitaminas B. Os alimentos vegetais não possuem vários nutrientes essenciais, e alguns dos nutrientes que contêm, possuem formas menos biodisponíveis. Além disso, muitos alimentos vegetais contêm “anti-nutrientes” que interferem na absorção de nutrientes. Isso significa que, só porque um alimento vegetal contém um nutriente, não significa que podemos acessá-lo.

Um exemplo importante é que grãos, feijões, nozes e sementes - os alimentos básicos das dietas baseadas em vegetais - contêm fitato, um imã mineral que interfere substancialmente na absorção de minerais essenciais como zinco, cálcio, ferro e magnésio. E, graças aos oxalatos - compostos de ligação mineral encontrados em uma ampla variedade de alimentos vegetais - praticamente nada do ferro do espinafre chega aos músculos do Popeye.

Somente alimentos de origem animal contêm todos os nutrientes de que precisamos em sua forma adequada e mais acessível. Para saber mais sobre a disponibilidade de nutrientes e como isso afeta a saúde do cérebro, leia este artigo.

 

6. Inventar números é divertido e fácil
Como os autores chegaram às quantidades recomendadas de alimentos que devemos comer por dia… 7 gramas disso, 31 gramas disso? Números como esses indicam que algo foi medido com precisão, mas em muitos casos, é claro que eles simplesmente extraíram um número do nada:

“Como o consumo de aves foi associado a melhores resultados de saúde do que a carne vermelha, concluímos que o consumo ideal de aves é de 0 g / dia a cerca de 58 g / dia e utilizou-se um ponto médio de 29 g / dia para a referência. . "[Página 10]

Se em nenhum lugar eles dizem que as aves domésticas estão associadas a algum resultado negativo para a saúde, então por que limitá-las a um máximo de 58 gramas (2 onças) por dia?

 

Os autores tentam se defender das críticas sobre esta questão afirmando:

“Temos um alto nível de certeza científica sobre a direção geral e a magnitude das associações descritas nesta Comissão, embora haja considerável incerteza em torno de quantificações detalhadas.” [Página 7]

Se eles estão tão inseguros quanto aos detalhes, como eles podem, em boa consciência, introduzir tais quantidades específicas de alimentos? Por que não dizer que eles não sabem? A maioria das pessoas não lerá este relatório - elas interpretarão os valores nesta tabela como conselhos médicos.

 

7. A epidemiologia é um evangelho ... a menos que não gostemos dos resultados

Qualquer pesquisador lhe dirá que os ensaios clínicos - experimentos científicos reais - são considerados um nível de evidência muito mais alto do que estudos epidemiológicos, mas o grupo de Willett não apenas baseia-se fortemente em estudos epidemiológicos, mas os favorece em relação aos ensaios clínicos, quando se ajustam melhor à sua agenda:

“Em grandes estudos prospectivos [epidemiológicos], o alto consumo de ovos, até um por  dia, não foi associado a um risco aumentado de doença cardíaca, exceto em pessoas com diabetes.

“No entanto, em países de baixa renda, a substituição de calorias de um alimento rico em amido por um ovo pode melhorar substancialmente a qualidade nutricional da dieta de uma criança e reduzir o déficit estatural. [ensaio clínico randomizado]

 

"Nós usamos uma ingestão de ovos em cerca de 13 g / dia, ou cerca de 1,5 ovos por semana, para a dieta de referência, mas a maior ingestão pode ser benéfica para populações de baixa renda com má qualidade da dieta." [Página 11]

Por que recomendar apenas 1,5 ovos por semana, quando estudos epidemiológicos descobriram que 1 ovo por dia estava perfeitamente bem? E por que distorcer suas recomendações contra pessoas de baixa renda, que compõem uma parcela significativa da população global?

 

Há um parágrafo notável na página 9 (muito grande para citar aqui) argumentando que carne vermelha em estudos epidemiológicos foi tida como fator para aumentar o risco de morte em estudos realizados na Europa e nos EUA, mas não na Ásia, onde a carne vermelha foi associada com um risco reduzido de morte. Em vez de se debaterem com essa aparente contradição, eles simplesmente descartam as descobertas asiáticas como inválidas, imaginando se os países asiáticos talvez não tenham sido ricos o suficiente para que o risco apareça ainda.

Como é que é??

 

8. Todos devem comer uma dieta vegana, exceto para a maioria das pessoas
Embora seu plano de dieta seja destinado a todos os “indivíduos geralmente saudáveis ??com dois anos de idade ou mais”, os autores admitem que não fornecem nutrição adequada para crianças em crescimento, adolescentes, mulheres grávidas, idosos, desnutridos e empobrecidos - e que mesmo aqueles que não pertencem a essas categorias especiais precisarão tomar suplementos para atender às suas necessidades básicas

 

Mais triste ainda é o fato de que a maioria das pessoas neste país e em muitos outros países ao redor do mundo não são mais metabolicamente saudáveis, e esse plano de alto teor de carboidratos não os leva em consideração.

"Em estudos de alimentação controlada, a alta ingestão de carboidratos aumenta as concentrações de triglicérides no sangue, reduz a concentração de colesterol HDL (também conhecida como "bom") e aumenta a pressão arterial, especialmente em pessoas com resistência à insulina." [Página 12]

 

Para aqueles de nós com resistência à insulina (“pré-diabetes”) cujos níveis de insulina tendem a ser muito altos, a dieta rica em carboidratos da Comissão - com base em até 60% das calorias de grãos integrais, além de frutas e vegetais ricos em amido - é potencialmente perigosa. A Comissão reconhece isto, recomendando que mesmo as pessoas saudáveis ??limitem o consumo de raízes amiláceas como a batata e a farinha de mandioca devido ao seu elevado índice glicémico, mas estranhamente não menciona as farinhas de cereais e leguminosas, ou frutas de alto índice glicémico, deixando a porta aberta para empresas de alimentos processados ??para comercializar produtos como massas, cereais e sucos para o seu planeta de base vegetal. Altos níveis de insulina aumentam fortemente o risco de numerosas doenças crônicas e podem significar uma vida inteira de medicamentos, incapacidade e morte precoce. Se a Comissão lesse seu próprio relatório, encontraria apoio para a noção de que aqueles de nós com danos metabólicos poderiam estar em melhor situação ao aumentar nossa ingestão de carne e diminuir nossa ingestão de carboidratos.

 

"Em um grande ensaio clínico randomizado de alimentação, substituir carboidratos com a mesma quantidade calórica de de proteínas reduziu a pressão sangüínea e concentrações lipídicas no sangue." [Página 8]

Este foi o ensaio OmniHeart 2005, que usou 50% de proteína vegetal e 50% de proteína animal. Parece que as únicas pessoas que devem comer uma dieta vegana são as pessoas que fazem a escolha consciente de ter uma dieta vegana a despeito dos riscos.

 

9. Não dê atenção ao dinheiro por trás da cortina
Como defensora de dietas que incluem carne, muitas vezes fui acusada de ter laços financeiros com a indústria de carnes (que não tenho), mas quantas pessoas param para questionar os incentivos financeiros (e profissionais) que podem influenciar os médicos que promovem dietas baseadas em plantas? Todos nós temos crenças pessoais e todos nós precisamos ganhar a vida, mas honestidade consigo mesmo e transparência com o público deve ser primordial. The Nutrition Coalition compilou uma lista dos potenciais conflitos de interesse do Dr. Willett aqui.

A Fundação EAT, que colaborou com o The Lancet para produzir este relatório, foi fundada pela bilionária norueguesa e ativista dos direitos dos animais Gunhild Stordalen. A EAT recentemente ajudou a lançar o "FReSH" (Reforma de Alimentos para Sustentabilidade e Saúde), uma parceria global de cerca de 40 empresas, incluindo Barilla (massas), Unilever (alternativas de carne e óleos vegetais), Kellogg's (cereais) e Pepsico (bebidas açucaradas). Decida o que você acha disso.

 

10. Não para o direto de escolha, sim para impostos?

 

Como a EAT-Lancet propõe alcançar seu sonho de um mundo baseado em plantas? Muitas sugestões são apresentadas, mas duas valem a pena enfatizar: a eliminação ou restrição das escolhas do consumidor e a taxação. A Fundação EAT se descreve como:

"uma startup sem fins lucrativos dedicada a transformar nosso sistema global de alimentos por meio de ciência bem fundamentada, interrupção impaciente e novas parcerias."

Ciência bem fundamentada? Claramente não. Mas uma interrupção impaciente - o que isso significa?
Independentemente de como você se sente sobre a tributação como uma ferramenta para a mudança social, considere as numerosas exceções que a própria Comissão fez as suas próprias regras da alimentação baseada em plantas, incluindo mulheres grávidas, crianças, desnutridos e empobrecidos. Deveríamos realmente apoiar que a produção de alimentos de origem animal - os únicos alimentos nutricionalmente completos no planeta - seja ainda mais cara para as populações vulneráveis? A noção de tributação é seguida por uma referência vaga à possibilidade de redes de segurança social de "transferência de renda" para mulheres e crianças. Esta seção do relatório é representativa de seu tom elitista e paternalista geral.

Acredito, porque estou convencida pela ciência, que os alimentos de origem animal são essenciais para a saúde humana ideal. Esta é uma realidade biológica desconfortável que todos nós temos que lutar como criaturas de consciência. Encontrar maneiras de apoiar uma excelente saúde e qualidade de vida para as criaturas das quais dependemos para nosso sustento e vitalidade é um dos nossos mais importantes chamados como administradores do nosso planeta e de todos os seus habitantes. Mas também acredito firmemente na escolha pessoal. Cada um de nós precisa se tornar especialista no que funciona melhor para nossos próprios corpos. Coma e deixe comer, eu digo. Parece claro que os autores da EAT-Lancet não são defensores da escolha pessoal nem da distribuição transparente de informações nutricionais precisas que permitiriam às pessoas avaliar os riscos e benefícios de várias dietas para si próprias.

Desafiar a autoridade
O relatório EAT-Lancet tem a sensação de um decreto real, operando sob o disfarce de boas intenções, procurando impor sua vontade benevolente a todos os assuntos do planeta Terra. Vale a pena desafiar a presumida autoridade desse grupo de 37 "especialistas", porque ele exerce tremendo poder e influência, tem acesso a bilhões de dólares e provavelmente afetará suas escolhas, sua saúde e seu talão de cheques em um futuro próximo.

 

Capitalizando nossa atual crise de saúde pública e ambiental, a Comissão EAT-Lancet se pronuncia como a autoridade sobre a ciência da nutrição, explora nossos piores medos e procura ditar nossas escolhas alimentares de acordo com os interesses pessoais, profissionais e possíveis interesses de seus membros.

Pelo que sei, nunca houve um ensaio clínico humano projetado para testar os efeitos na saúde da simples remoção de alimentos de origem animal da dieta, sem fazer qualquer outra dieta ou mudanças no estilo de vida, como a eliminação de carboidratos refinados e outros alimentos processados. A menos que e até que tal pesquisa seja conduzida demonstrando claros benefícios a essa estratégia, a afirmação de que os seres humanos seriam mais saudáveis ??sem alimentos de origem animal permanece uma hipótese não testada com riscos claros para a vida e a saúde humanas.

 

A prescrição de dietas baseadas em plantas para o planeta sem incluir avisos diretos desses riscos e oferecer orientações claras sobre como minimizá-los é cientificamente irresponsável e medicamente antiética e, portanto, não deve formar a base das recomendações de saúde pública.