Um novo estudo foi publicado recentemente no British Medical Journal. Este estudo é do tipo mais importante - mais fidedigno - um ensaio clínico randomizado. Diferentemente dos estudos observacionais que frequentemente vemos na mídia, este é um experimento - e extremamente bem conduzido.

Qualquer um que tenha experiência com low-carb sabe que é uma estratégia muito eficaz não apenas para perda de peso, mas para a manutenção dessa perda. Existe uma impressão subjetiva de muitos autores de que é possível comer mais em low-carb e ainda assim manter o peso estável. Porém, até agora, isto nunca havia sido testado de forma rigorosa.

Este novo estudo, que recrutou 164 adultos com sobrepeso ou obesidade, foi conduzido da seguinte maneira:

 

  • Todos foram submetidos a uma dieta hipocalórica até perder 12% do peso corporal;

  • Foram então randomizados para 3 grupos: 20%, 40% e 60% de carboidratos, com a MESMA quantidade de proteína (20%) em todos os grupos;

  • Todas as refeições foram fornecidas pelo estudo durante CINCO MESES;

  • As calorias foram ajustadas para que as pessoas mantivessem o peso durante os cinco meses - se estavam perdendo peso, aumentavam-se as calorias; se estavam ganhando peso, reduziam-se as calorias;

O resultado foi o seguinte: o grupo low-carb queimou cerca de 250 calorias a mais do que o grupo high-carb. Mas, se compararmos o grupo que secreta mais insulina (ou seja, as pessoas que mais precisam de low-carb, portadores de resistência à insulina e síndrome metabólica), a diferença vai para 400 calorias ao dia!!

Em outras palavras: uma pessoa com resistência à insulina, que tenha emagrecido, pode consumir, em low-carb, até 400 calorias a mais por dia sem ganhar o peso novamente.

Os métodos empregados neste artigo (água duplamente marcada, toda a alimentação fornecida pelo estudo) são altamente precisos e rigorosos, e o desenho metodológico (ensaio clínico randomizado) permite inferir causa e efeito.

Pela primeira vez, é possível AFIRMAR que há uma vantagem metabólica em low-carb, isto é, uma quantidade maior de calorias deixa de ser armazenada como gordura, e é dissipada de outras formas (calor, movimento).

Quer ler um texto detalhado, com muito mais informação, publicado pelo próprio autor do estudo, e traduzido para o português? Clique aqui.